1 de maio de 2012

Woven Tower - Torre Tecida

Woven Tower - "recria" o processo de tecelagem com fibras de palmeira e o "entrelaçado" comercial, e tribal. 

Cooperação entre Giuseppe Farris e Schöning Stefan.

A estrutura proposta visa capturar aspectos da cultura árabe: 
  • Uma sociedade tribal
  • Empreendedorismo transregional. 

A aparência do edifício, seu exoesqueleto, é cenográfico e simbólico. Este refere-se à Tamareira que, junto com frutas e folhas continuam a ser um produto importante na vida cotidiana de Dubai, como uma mercadoria e como um material usado em : barcos de pesca e artesanato.

Penso que o projeto aqui "pecou". O estudo do "entrelace" das fibras poderia resultar num estudo estrutural - sim, estrutura mesmo! - e ousar propor algo em tecido - sim, em tecido mesmo! - como um dos seus diferenciais.

Processo de tecelagem com folha de palmeira.
O labirinto entrelaçado exterior do edifício, ao mesmo tempo representa a rede e rotas de comércio que, ao longo da história, chegou e partiu de Dubai. 


O exterior também comemora o legado tribal e lembra do labirinto dinâmico de afiliações tribaisque tem dado a sociedade de Dubai a sua coesão básica.

Esse simbolismo do "entrelaçar tribal" achei extremamente bem conseguido pela sua verdade, pela sua objectividade e pela sua estabilidade formal e material no projeto.


O interior do edifício, continua a celebração da primeira pedra tribal de Dubai, e que se destina a promover os seus valores ricos e sua relevância para o século XXI. 

Mais em particular, os visitantes podem entrar por vias diferentes, cada vez descobrindo diferentes aspectos da cultura tribal de Dubai na sua história. 

Ao nível do solo, a área externa, é uma estrutura aberta, simbolizando a hospitalidade do povo de Dubai e convidando todos a entrar. 

Os visitantes podem encontrar em diferentes níveis dentro e fora da estrutura de diferentes tipos de "Majlis" -  traduzindo do árabe, "locais para sentar".