1 de maio de 2012

Fazenda Vertical - 1

Localização: Petrópolis - RJ, Brasil

Na área de Hudson Yard, Manhattan esta fazenda de crescimento vertical faz interagir duas classes opostas: 
  • produtores - agricultores.
  • consumidores - nova-iorquinos. 
Nas áreas agricultas, nas áreas habitacionais e nos mercados.
Choques sociais e culturais vão acontecer pela interacção de classes politicamente opostas em uma tipologia de um edifício alto - introduzindo os produtores de biomassa na cidade, um lugar histórico do seu consumo.

Fazendo isso, o sucesso do crescimento em altura é redefinido, não pela sua eficiencia mas por:
  • Uso das superfícies organizando a interacção dinâmica do programa estabelecido.
  • Multiplicidade da organização espacial adequada.
A essência destas relações entre programas sociais e políticos não é clara. Os espaços que criam são vividos, não são representações ou concepções, apenas se pode especular -   ó o domínio de incerteza!  - na variedade de relações e oposições vividas na fazenda propriamente dita e ao seu redor -   afinal ela como um todo!
 Através da produção e consumo, este edifício proporciona uma flutuação de variadas densidades e tipos de pessoas, trazendo diferentes grupos sociais e culturais criando novos e ainda não vistos anteriormente experiências urbanas que se formam e se dissipam com o fluxo do dia a dia da cidade. Definir o programa desta torre, não é procurar controlar ou manipular a interacção entre grupos politicamente dinâmicos de agricultores e os consumidores, é sim permitir um lugar para obter vários meios para vários resultados permitindo o ambiente capaz de sustentar o domínio de incerteza   -  O programa é apenas uma orientação e não uma função dedicada - não é determinista! - As superfícies interiores não pré-determinam uma determinada função, apenas apontam para o seu potencial. Está no uso do dia a dia definir o que se vai obter do espaço que se habita no ambiente que se herda -  é impressão minha ou é isso que obtemos quando exploramos o mundo afora?! 
Em uma primeira análise a imagem representa questões de iluminação - muito interessante mas, questionável no quesito natural ou que se pode manipular a luz em horários prolongados.

Nesta fazenda de crescimento vertical o Romantismo do jardim utópico ou alimentos "modernos" está fora de questão. Se a agricultura é verdadeiramente capaz de fornecer adequadamente para uma cidade, um palco distopico de produção agricula que recorre apenas ao controle humano deverá ser aceito.

Este projecto aceita engenharia genética
e outros argumentos contemporâneos
  • Rega aeropônica.
  • Tecnologias de cultivo hidropônico.
  • Iluminação controlada.
  • Níveis controlados de CO2 - para maximizar o crescimento da planta e a produção de alimentos.
A torre leva em consideração as diferentes etapas de produção vegetal: 
  • Clonagem
  • Vegetativo
  • Floração  
Para maximizar a produção de alimentos, tanto quanto possível. Além disso, assume-se que as plantas geneticamente modificadas serão geradas para maximizar tanto o valor nutricional e produção das culturas no interior da torre.
A engenharia genética é um tema polêmico mas, necessário se a torre é para acomodar as necessidades de Manhattan na produção de alimentos. Prevê-se que várias torres que serão necessários para atender às necessidades da cidade. Assim, um novo tipo de morador da cidade é criado, o trabalhador nomade, que se move por toda a cidade tende a suas necessidades de produção de alimentos e resistir e reverter a sub urbanização de Manhattan.
Esta investigação baseia-se na lógica da mecânica de plantas. As células de fetos evoluíram bio-mecânica. Configurações que maximizam a força ao mesmo tempo minimizando material. Usando estes atributos, os modelos análogos foram criados, investigando um novo sistema estrutural para construção de edifícios altos que permite a dinâmicas espaços interiores.

Aplicando regras não-lineares programáticas para as funções de uma fazenda urbana, este projecto investiga como auto-organização de computação pode ser usado para organizar os elementos programáticos. Cada elemento programático foi dado um conjunto de regras simples, que englobava as suas necessidades conceituais e contextuais, resultando em um complexo sistema flutuante. 

Uma estrutura adaptativa foi criado para apoiar o núcleo do elevador, similar ao conceito montanha-russa!